O Liberdade

Previsão do Tempo

Campo Grande
+29°C
Grupo Liberdade
Quinta-feira, 19 de julho de 2018
 
05/07/2018 09h23 - Atualizado em 05/07/2018 09h23

Guarda Municipal ou Polícia Municipal? Proposta no Congresso cria ‘nova força policial’ no país

Andre Farinha
 
 

A Guarda Municipal poderá passar a se chamar Polícia Municipal. A mudança na nomenclatura poderá ser válida para todo o país e está em debate na Câmara dos Deputados, a proposta altera o Estatuto Geral das Guardas Municipais (Lei 13.022/14) e, segundo a justificativa do deputado Delegado Waldir (PR-GO), autor da matéria, a alteração aumentará a sensação de segurança e facilitará a integração entre as diversas forças de segurança pública.

O projeto foi aprovado, na terça-feira (03), pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) e poderá seguir diretamente para análise do Senado, a não ser que haja recurso para votação pelo Plenário. 

A mudança na nomenclatura já vem sendo feita no País de maneira individualizada, a depender da vontade das Prefeituras. Em alguns casos, o Judiciário foi acionado e proibiu a modificação. Em São Paulo, no ano de 2017, a Justiça concedeu liminar vedando o então prefeito João Doria de modificar o nome da Guarda Civil Metropolitana para Polícia Municipal.

Prós e contras

A proposta vinha provocando polêmica na comissão nas últimas semanas. Segundo o relator do texto na CCJ, deputado Lincoln Portela (PR-MG), o projeto é constitucional porque, mesmo com a mudança na nomenclatura, permanecem "incólumes as atribuições do órgão em questão, não repercutindo a alteração de nomenclatura em qualquer interferência nas competências da União, dos Estados e do Distrito Federal". 

Por outro lado, deputados contrários à proposta sustentam que o texto seria inconstitucional, pois a Constituição estabelece que a segurança pública é exercida pelas polícias federal, rodoviária federal, ferroviária federal, civis e militares, além dos corpos de bombeiros militares. De acordo com o texto constitucional, as guardas municipais são destinadas à proteção dos bens, serviços e instalações das cidades.

Um dos receios dos críticos ao projeto é que a mudança no nome abra brecha para que os guardas municipais passem a reivindicar direitos e prerrogativas de policiais, que vão desde regras para porte de arma a planos de carreira e aposentadoria especial.

Porte de armas

Recentemente, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou o porte de armas para guardas municipais de cidades com menos de 50 mil habitantes. A decisão foi tomada em caráter liminar (provisório), ou seja, o tema ainda será analisado de maneira definitiva pelo plenário do STF, formado por Moraes e mais dez ministros.

"O aumento maior do número de mortes violentas, nos últimos anos, tem sido consistentemente maior exatamente nos grupos de municípios em que a lei estimou como passíveis de restrição ou até supressão do porte de arma por agentes encarregados constitucionalmente da preservação da segurança pública", escreveu Moraes na decisão.



Envie seu Comentário

Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.
Copyright 2014 © O Liberdade - Todos os direitos reservados. By Bimboo Software

Expediente | Anunciar no site | Trabalhe Conosco | Reportar Erro