O Liberdade

Previsão do Tempo

Campo Grande
+29°C
Grupo Liberdade
Domingo, 20 de janeiro de 2019
 
15/02/2013 13h30 - Atualizado em 15/02/2013 13h30

Saiba como lidar com a obesidade infantil

MdeMulher
 

“Nossos filhos estão crescendo acima do peso e subnutridos com uma dieta de alimentos processados. As crianças de hoje integram a primeira geração que irá viver menos do que a de seus pais”. Esta afirmação do chef de cozinha inglês Jaime Olivier pode parecer exagerada, mas reflete bem um drama real: o excesso de peso atinge 33,5% das crianças brasileiras, sendo que, do total, 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas são obesos, de acordo com a mais recente pesquisa do IBGE de 2008-2009.

Na sua infância, a realidade era, provavelmente, outra: em 1989, apenas 4,1% dos meninos e 2,4% das meninas apresentavam a doença. Saiba por que o problema da silhueta larga aumentou tanto entre a garotada, como agir quando seu filho está em guerra com a balança e quais os efeitos da gordura excessiva na saúde e na mente das crianças.

Por que o sobrepeso aumentou tanto? Há várias justificativas para a epidemia do acúmulo de quilos indesejados. “As principais causas são a diminuição das atividades físicas e o consumo exagerado de calorias, normalmente presentes nos alimentos industrializados, ricos em gorduras e sal”, explica o pediatra e nutrólogo Fábio Ancona Lopez, professor da Universidade Federal de São Paulo.

Todos os especialistas entrevistados pelo Bebê.com.br concordam: as brincadeiras ativas entre as crianças, como ir ao parque, jogar bola e brincar de pega-pega, diminuíram, ao mesmo tempo em que os pequenos passaram a ter mais acesso aos alimentos industrializados, como bolachas e chocolates.

Eles passam boa parte do tempo em frente à televisão e, além de não gastarem as calorias, são bombardeados por inúmeras propagandas de salgadinhos, lanches de fast food, entre outros, o que os leva a desejar ainda mais esse tipo de alimento.

Os pais também têm sua parcela de responsabilidade. “Atualmente, eles têm dificuldade de dar limites às crianças, o que inclui controlar a quantidade de alimentos muito calóricos que elas consomem. Muitos deles passam um longo tempo distantes dos filhos, devido ao trabalho. Após um dia cansativo, falta disposição para cozinhar e muitos optam pela comida industrializada. Sem contar que, na tentativa de compensar a ausência, cedem sempre que os pequenos pedem para comer algo”, conta a psicóloga Paula Kioroglo, do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista.

Mamãe, eu estou gordo? Lidar com uma pergunta dessas não é fácil, mas se o filho realmente estiver acima do peso, os pais não podem mentir. “É legal conversar com a criança e reforçar seus pontos positivos, sem ignorar o fato. Então, eles podem dizer algo como: sim, você está acima do peso e isso nós podemos mudar. Mas olha como você é inteligente e legal”, orienta Gliber.

Outro desafio para os pais é convencer o filho a aceitar a nova alimentação. “Eles devem deixar claro para a criança que ela não vai passar fome e é interessante que também ressaltem o lado positivo, dizendo que, com essa atitude, ela vai viver mais, entre outros benefícios”, diz Gliber. Os alimentos oferecidos devem ser saborosos e lembre-se de que normalmente não há restrições na nova dieta da criança, apenas uma redução dos alimentos gordurosos e o aumento dos mais saudáveis. Os pais também devem dar o exemplo e passar a se alimentar melhor. “Não adianta a criança comer salada, arroz, carne e os pais se esbaldarem com uma pizza. A mudança alimentar requer um tratamento da família toda”, ressalta Kioroglo.

Infelizmente é frequente que as crianças acima do peso sofram bullying, por isso os pais devem ficar atentos a mudanças de comportamento e conversar com o filho e com a escola quando a situação ocorrer.

A saúde da criança obesa Os problemas de saúde que a obesidade acarreta nos pequenos são gravíssimos. “O distúrbio provoca o aumento da pressão arterial e dos níveis de colesterol, problemas de pele e nas articulações de joelho e quadril, além do risco de desenvolver a diabetes tipo 2”, afirma Lopez.

O desenvolvimento infantil também é afetado pelo sobrepeso. “Geralmente as crianças gordinhas estão desnutridas porque comem alimentos mais calóricos, com muito açúcar, sal e carentes em nutrientes essenciais. Uma criança bem nutrida e que faz atividades físicas vai melhor até na escola”, diz o nutrólogo Alexander Gomes de Azevedo, autor do livro Pais inteligentes, filhos saudáveis.

Para saber se seu filho está obeso ou com sobrepeso é importante que os pais façam acompanhamento constante no pediatra e, uma vez detectada a obesidade, inicie-se o tratamento imediatamente.

É melhor prevenir.... ...do que remediar, já diziam nossas avós. Este ditado certamente vale para os casos de obesidade infantil. “Quando uso o termo pais inteligentes no título de meu livro, me refiro àqueles pais mais esclarecidos em relação à alimentação e doenças e que, após um ano de idade, não oferecem chocolates ou frituras para o filho. São pais que se preocupam desde cedo em ensinar a criança a ter uma boa alimentação e estimulam o filho a praticar uma atividade física. Eles sabem que alimentar não é o mesmo que nutrir e terão filhos mais saudáveis”, conta Azevedo.



Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.
Copyright 2014 © O Liberdade - Todos os direitos reservados. By Bimboo Software

Expediente | Anunciar no site | Trabalhe Conosco | Reportar Erro