O Liberdade

Previsão do Tempo

Campo Grande
+29°C
Grupo Liberdade
Terça-feira, 17 de outubro de 2017
 
10/08/2017 08h25 - Atualizado em 10/08/2017 08h25

Santa Casa em crise: ABCG vai ser investigada pelo TCE/MS

Andre Farinha
 
 

O Ministério Público de Contas do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (MPC/TCE-MS) abriu, nesta quarta-feira (08), um procedimento de ‘averiguação prévia’ no âmbito da Prefeitura de Campo Grande e da Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG), entidade mantenedora da Santa Casa, com a finalidade de apurar as denúncias veiculadas pela imprensa local sobre a superlotação e a falta de recursos para a operacionalização do hospital público.

O pedido, assinalado pelo procurador-geral João Antônio de Oliveira Martins Junior, visa verificar a capacidade instalada e operacional do Pronto Socorro da Santa Casa; a percentagem de ocupação diária (razão entre o número de leitos ocupados pelo número de leitos disponíveis), a partir do dia 15/07/2017 até a data em que se realizar a inspeção, visando à constatação da superlotação, alegada por uma das partes e refutada pela outra; e o quantum e da pontualidade dos repasses efetuados pelo Município de Campo Grande para ABCG, a partir de 1º de janeiro de 2017.

O procedimento do MPC também irá analisar o funcionamento do sistema de regulação de vagas, uma vez que, conforme informações divulgadas pela imprensa local, o mesmo não permitiria o controle sobre os resgastes feitos pelo Corpo de Bombeiros, por não estar interligado com o CIOPS (Centro Integrado de Operações de Segurança). E ainda o estágio em que se encontra o procedimento administrativo visando à celebração de um novo Termo de Fomento, segundo as diretrizes impostas pelo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (Mrosc), instituído pelas Leis nos 13.019/14 e 13.204/15, em vigor para os municípios desde o dia 23 de janeiro de 2017.

Pagamentos de repasses atrasados

Em reunião também nesta quarta-feira (09), na Assembleia Legislativa (ALMS), deputados estaduais, o secretário municipal de Saúde, Marcelo Vilela, e o presidente da ABCG, Esacheu Cipriano Nascimento, acertaram o pagamento de repasses atrasados destinados ao hospital. De acordo com o secretário Marcelo Vilela, cerca de R$ 9 milhões serão depositados, referentes a dois meses de atraso. "Do município serão repassados R$ 4,4 milhões. Ontem, o Estado fez o pagamento de R$ 4,5 milhões, que serão transferidos ainda hoje.", garantiu.

O dinheiro destinado a Saúde oriundo do Governo do Estado e da União é todo enviado para as contas da Prefeitura Municipal que, após o recebimento, deve fazer o repasse para os hospitais. Segundo Vilela, os recursos do Governo Federal são feitos entre os dias 12 e 20 de cada mês. "Esse é o grande impasse, a administração da Santa Casa quer a garantia do repasse até o quinto dia útil.", criticou. Sobre isso, uma nova reunião entre as partes está agendada para o dia 15 para tratar do tema. Também deve ser discutido o reajuste do valor total dos repasses, subindo dos atuais R$ 20 milhões para R$ 23,8 milhões mensais.

Em entrevista a um jornal de televisão, o prefeito Marquinhos Trad negou que o Município esteja devendo à ABCG. Conforme explicou, os recursos repassados ao hospital mensalmente pela prestação de serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS), em torno de R$ 20 milhões, vêm da União, do governo do estado e da prefeitura. "O que estava ocorrendo é que a Prefeitura e o Governo do Estado estavam antecipando os recursos que repassavam ao hospital para que a instituição pudesse pagar os seus funcionários também de forma antecipada. Mas neste mês isso não foi possível", comentou.

A crise na Santa Casa

A crise no maior hospital público de Mato Grosso do Sul atingiu o seu ápice na semana passada, quando a direção determinou o fechamento do portão de acesso ao Pronto-Socorro, alegando não ter mais vagas para receber novos pacientes. Em Maio deste ano, a direção da Santa Casa e a Prefeitura já haviam acertado que somente pacientes encaminhados pela Central de Regulação do SAMU e do Corpo de Bombeiros seriam atendidos no estabelecimento hospitalar.

Na terça-feira (08), funcionários do setor de enfermagem e do administrativo decidiram suspender os atendimentos por conta do atraso nos salários. Segundo as informações, desde quarta-feira passada, quando os portões foram fechados, até ontem, foram atendidos 476 pacientes encaminhados pela Central de Regulação; 207 ambulâncias reguladas deram entrada no hospital com pacientes do interior e da Capital. A área vermelha do hospital, destinada aos casos mais graves, como vítimas de esfaqueamento, baleados ou acidentados, encontrasse com 18 pacientes, capacidade máxima da unidade.



Envie seu Comentário

Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.
Copyright 2014 © O Liberdade - Todos os direitos reservados. By Bimboo Software

Expediente | Anunciar no site | Trabalhe Conosco | Reportar Erro